segunda-feira, 18 de março de 2013

e-Gestor: Sistema Online de Gestão Empresarial

Que tal utilizar um sistema online para lidar com a Gestão Empresarial do seu empreendimento? Conheci recentemente, através de uma propaganda do YouTube, um software totalmente online, que objetiva atender pequenas e médias empresas. Controle de Estoque, Controle Financeiro, Fluxo de Caixa, Nota Fiscal e Nota fiscal Eletrônica, Ordem de Serviço, Emissão de relatórios e etiquetas, Gestão de tarefas e Disco Virtual, são alguns de seus recursos. Acredito que estava faltando existir uma ferramenta de simples instalação (neste caso, nem precisa de instalação/implantação), com baixo custo e que atendesse o pequeno empreendedor. Acho que vale a pena conferir. http://www.egestor.com.br

terça-feira, 12 de março de 2013

O trabalho do futuro

A revista INFO de Fevereiro/2013 traz na capa uma reportagem muito interessante, cujo título é "O trabalho do futuro". "Não existe mais chefe. Cada um decide em que projeto que entrar. O horário é livre e ir ao escritório é opcional. Novas ideias e atitude valem mais do que um diploma". Em várias empresas, isso já é realidade, pode acreditar. A matéria completa é simplesmente fantástica, e vou destacar abaixo alguns trechos interessantes.

Trechos da matéria de Alessandra Lariu
"O Vale do Silício cria formas criativas para segurar os talentos. Elas vão de bônus para tirar férias até bebida e cinema grátis. Lá, a cada cano que o profissional troca de empresa, sua vida fica mais interessante. Não apenas pelo salário mais robusto, mas também pelas regalias que as companhias de tecnologia oferecem. Empresas como Zynga, Google, Facebook, Evernote, não param de institucionalizar benefícios cada vez mais extravagantes para atrair os melhores profissionais do mercado. Na guerra entre os departamentos de recursos humanos, vale a criatividade para conquistar geeks talentosos. Videogames e refeições gratuitas são o mínimo que se pode esperar de empresas inovadoras como Google, Yahoo! e Facebook. Levar o cachorro para o trabalho, uma moda que começou com a Zynga, agora é padrão para a maioria das empresas high-techs. Regalias que afetam a vida familiar estão ficando cada vez mais populares. Serviços gratuitos de babá, de aconselhamento matrimonial e até de assistência para cuidar de pais idosos são alguns benefícios que os empregados que escolheram a Genentech e a Deloitte podem desfrutar como parte de seu contrato. Na empresa Evernote: bônus de mil dólares para férias "de verdade", ou seja, quando o empregado sai do país a turismo. O Facebook oferece serviço de lavanderia a todos os seus funcionários e o Google dá oferece  de cabelo de graça."

Trechos da matéria de Juliano Barreto e Marcus Vinícius Brasil
Na Netflix, as férias são flexíveis, sem limitação de tempo ou burocracia. Na Cisco, contratações são decididas em consenso. É comum também que os funcionários trabalhem em casa. Na empresa Vagas Tecnologia, que gerencia o portal vagas.com.br, não há chefes. As pessoas são livres para participar dos projetos que desejarem. Escritórios como os do Google e da produtora D3 provilegiam a qualidade de vida e a descontração dos funcionários. 

A melhor política de recursos humanos para empresas que desejam inovar no ambiente de trabalho é não ter política de recursos humanos. Essa á filosofia de companhias de tecnologia como a americana Netflix, a maior empresa de transmissão digital de filmes e séries do mundo.

Nos mercados aquecidos e com poucos especialistas disponíveis, como a programação de apps ou a análise de big data, muitas vezes são os candidatos que escolhem as empresas. Por isso, além de bons salários, é preciso entender as aspirações dos funcionários e oferecer benefícios criativos.

Dez maneiras criativas de segurar talentos

  • Airbnb: o site de locação de casas e quartos oferece 2 mil dólares ao ano para os funcionários viajarem; 
  • Ask.com: A empresa de buscas tem um "embaixador da diversão". Sua função: organizar festas;
  • Evernote: Especializada em organização pessoal, a empresa oferece férias ilimitadas com mil dólares de bônus; 
  • Dropbox: Novos funcionários do serviço de armazenamento na nuvem têm a opção de escolher a configuração do computador, sem limites para gastar; 
  • Facebook: Mark Zuckerberg premia com 4 mil dólares ao funcionários que acabam de ter um filho; 
  • Genentech: A empresa de biotecnologia oferece babás para os filhos, além de aconselhamento matrimonial e bolsas de estudo no valor de 10 mil dólares anual;
  • GetGlue: Os funcionários da rede social para filmes e programas de TV ganham ingressos gratuitos para cinema;
  • Google Brasil: O novo escritório em São Paulo tem sala de massagem, barraca de frutas frescas e restaurantes de várias especialidades;
  • Tumblr: Aulas de ioga e baladas temáticas após o expediente são opções de entretenimento para quem trabalha na rede de blogs;
  • Zynga: Pioneira ao permitir que os funcionários levem seus cachorros ao trabalho, a empresa de games oferece acupuntura e corte de cabelo.



domingo, 10 de março de 2013

Currículo perfeito

Muitas dicas sobre currículos, reunidas num só lugar. Basta acessar o endereço http://info.abril.com.br/aberto/infonews/tags/curriculo1.shtml. Mas, a revista INFO de Agosto de 2012 fez um resumão dessas dicas.

Facilitar a vida do entrevistador é a principal ideia por trás de um currículo perfeito. Por isso, use uma ou duas linhas para explicar suas atividades e realizações nos empregos anteriores, além de mencionar o tamanho das empresas onde trabalhou. "É muito importante escrever seus objetivos com clareza", diz Ricardo Basaglia, diretor da empresa de recrutamento Michael Page International. Outra dica de Basaglia é evitar o spam e customizar o email que acompanha o currículo de acordo com a vaga pretendida. "Dizer a razão pela qual você deseja a vaga é uma boa ideia", afirma. Evitar erros de português é crucial, assim como erros bobos. "Não existe 'inglês técnico'. O nível de fluência deve ser descrito como básico, intermediário ou avançado." Vale indicar links para suas redes sociais? Para Basaglia, é comum que o empregador procure pelo entrevistado no Facebook e no Twitter, com ou sem link, por isso é bom ter um comportamento contido nas redes nas fases de procura de emprego.

sábado, 9 de março de 2013

Como investir em startups e como obter investimento

Nesta postagem estão duas dicas muito valiosas, que foram publicadas na revista INFO, em Agosto/2012.

Como investir em startups, por Flávio Jansen, sócio-investidor do fundo Guiato.
A receita do investimento em startups pode ser resumida em buscar pessoas com excelentes ideias que proporcionarão retornos saudáveis. O primeiro ponto é olhar o modelo de negócios, que não é só uma planilha do Excel. É preciso entender a razão pela qual os consumidores e clientes usarão o serviço, qual será a fonte de receita e por que ele é sustentável no médio prazo. Melhor ainda se for um modelo inovador. O segundo aspecto são as pessoas que participarão do projeto. Elas precisam acreditar, estar motivadas e demonstrar uma capacidade boa de implementar a ideia. Por último, é preciso acreditar que o retorno financeiro do investimento vai ser saudável, em números pelos menos três vezes maiores do que o investido.

Como obter investimento, por Cássio Spina, fundador da Anjos do Brasil
O empreendedor tem que conhecer bem o mercado onde atuará. Deve apresentar seu protótipo a potenciais clientes, pesquisar concorrentes e avaliar eventuais parceiros. Precisa ainda procurar cofundadores que complementem suas competências técnicas e operacionais. A seguir, elaborar um bom plano de negócio. Este consta de uma apresentação sumária da necessidade atendida pelo produto, a qual oportunidade ele se dirige e como e quando será executado. É necessário ainda montar um plano de execução, indicar a forma de monetização da ideia, quanto investimento será usado. Depois, o empreendedor deve buscar investidores em sua rede de relacionamentos, em eventos e competições.

quarta-feira, 6 de março de 2013

Ninguém nasce sabendo pensar

Uma das minhas primeiras disciplinas que cursei no curso de Bacharelado em Ciência da Computação, foi a disciplina de Organização Empresarial, e uma coisa que ficou marcada na minha trajetória acadêmica foi um dos poucos assuntos que a disciplina abordou: o pensamento. Não estudávamos nada de organogramas, processos, recursos humanos, etc. Fazíamos sucessivas leituras e análises de um texto, registrado em folhas fotocopiadas de um livro, que falava exclusivamente sobre como lidarmos com o pensamento. Abaixo segue o resumo sobre o conteúdo que foi estudado naquela época. Acho que vale muito a pena o ler.

A capacidade de pensar pode ser o maior trunfo de uma pessoa, mas pouquíssima gente se dedica seriamente ao seu desenvolvimento. Para um grande número de pessoas, pensar é uma habilidade genética e, portanto, imutável. Edward de Bono e seu “Ninguém nasce sabendo pensar” nos mostram exatamente o contrário: o bom pensador não nasce feito; ele se faz com técnicas e treino. Mais: a inteligência pouco te a ver com a capacidade de pensar. Ainda hoje, são poucas as pessoas preocupadas em desenvolver a capacidade de pensar. Até mesmo a ciência e a educação têm-se descuidado disso. Uma exceção é o mundo dos negócios. Não por a caso, grandes empresas e corporações têm investido em pensamento, especialmente junto a seus executivos.

Muito já se escreveu e falou sobre a relação entre inteligência e capacidade de pensar. E muitos equívocos ainda persistem nesse assunto. Um dos mais sérios e comuns é a crença de que ser inteligente equivale a saber pensar. Na verdade, pensar é uma habilidade que se adquire e se desenvolve. Em poucas palavras, pensar é operar a habilidade pela qual a inteligência age sobre uma experiência, seja o que for que esteja em jogo.

A armadilha de inteligência: Com freqüência, pessoas muito inteligentes precisam treinar mais suas habilidades de pensar do que as demais. O motivo disso é o que em nosso “Cognitive Research Trust” chamamos de “armadilha da inteligência”. Seus componentes podem ser sociológicos, operacionais e até físicos. Eis alguns deles (é claro que nem todas as pessoas de QI muito elevado sucumbem a armadilhas como estas):
  • Uma pessoa de QI elevado pode formular um bom argumento para apoiar seus pontos de vista. Neste caso, a armadilha está em que quanto mais coerente for seu argumento, menos motivação a pessoa terá para explorar a própria situação. A pessoa fica presa ao seu ponto de vista, simplesmente porque pode defendê-lo de maneira brilhante.
  • O ego e a auto-imagem baseiam-se em geral sobre a própria inteligência. Daí a necessidade da pessoa inteligente mostrar-se sempre certa, esperta e ortodoxa. A pessoa de alto QI parece sempre inclinada a valorizar mais a esperteza do que a sabedoria, uma vez que a primeira é mais facilmente demonstrável – e depende menos da experiência.
Ferramentas de pensar: O PMI foi o primeiro método de programa CoRT (Cognitive Research Trust) a ser usado em escolas. A origem da sigla: “P”, de plus; “M” de minus e “I” de interesting. Ou seja, pontos positivos, pontos negativos e pontos de interesse. Fazer um PMI significa dirigir a atenção primeiramente para os pontos positivos de um contexto ou situação, em seguida para os negativos e, finalmente para os aspectos de interesse. Isso deve ser feito de forma cuidadosa e disciplinada, num intervalo de tempo que não ultrapasse 3 minutos ao todo. Existem outras ferramentas de pensar que são mencionadas em diversos livros sobre o assunto.

Ouvir, ler e pensar: Bons ouvintes são raros. Ouvir bem requer lentidão. O bom ouvinte concentra atenção diretamente sobre o que está sendo dito – e com freqüência ouve mais do que está sendo dito.

Este texto é baseado no livro “De Bono’s thinking course”, de Edward de Bono. Outras leituras sugeridas sobre o assunto, do mesmo autor: “Novas estratégias de pensamento” e “Os seis chapéus do pensamento”.

Dois textos pequenos que me fizeram refletir sobre qualidade de vida. Os textos são de Jorge Luis Borges e Bryan Dyson.

O objetivo desse post é compartilhar dois textos bem interessante, que certamente o levará a refletir sobre sua qualidade de vida. Os textos...